Google Play vs App Store | Devs ganham muito mais dinheiro na loja da Maçã

Por Thaís Augusto | 19 de Junho de 2019 às 17h28

Os principais desenvolvedores de aplicativos da App Store têm uma receita bruta 64% maior dos que aqueles que optam pela Google Play, de acordo com a empresa de análise de apps para dispositivos móveis, Sensor Tower. Um recente relatório da companhia, com dados do primeiro trimestre de 2019, indica que os 100 maiores publicadores da App Store faturaram cerca de US$ 83,8 milhões em receita bruta média.

Enquanto isso, os principais desenvolvedores da Google Play receberam cerca de US$ 51 milhões. No mesmo período, a Sensor Tower ainda identificou uma alta no gasto em aplicativos por usuários. No trimestre, foram gastos US$ 130 milhões, uma alta de 289% se comparado ao volume desembolsado em 2014, de "apenas" US$ 33,9 milhões. Nestes cinco anos, o gasto na App Store cresceu 291%.

O relatório da Sensor Tower também descobriu que usuários da App Store estão mais dispostos a gastar com aplicativos que não são games. Neste caso, a vantagem da Apple sob a Google chega a triplicar: enquanto são gastos US$ 23 milhões na App Store em aplicativos não-games, a Google Play consegue só US$ 7 milhões.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Quando se trata de aplicativos de jogos, a diferença entre as empresas é um pouco menor, mas a vantagem ainda é da Apple. Durante o primeiro trimestre do ano, usuários da App Store gastaram US$ 70 milhões, e os da Google Store US$ 48 milhões.

Gráfico compara receita de desenvolvedores na App Store e Google Play (Foto: Sensor Tower)

A polêmica App Store

Apesar dos publicadores da App Store lucrarem mais com seus aplicativos, eles não estão tão satisfeitos assim. Neste mês, a loja virtual entrou no meio de uma polêmica quando desenvolvedores de aplicativos decidiram processar a Apple em razão das altas taxas cobradas na App Store.

Os responsáveis pela queixa são Donald R. Cameron e Pure Sweat Basketball, que apresentaram um documento ao Tribunal do Distrito Norte da Califórnia alegando que a Apple conduz a App Store a partir de práticas anticompetitivas, incluindo uma taxa de comissão de 30%, precificação mínima e uma taxa anual de US$ 99 por desenvolvedor.

"A Apple abusa flagrantemente de seu poder de mercado em detrimento aos desenvolvedores, que são forçados a usar a única plataforma disponível para vender seu aplicativo para iOS", disse Steve Berman, advogado que representa os desenvolvedores. "Em um cenário competitivo, isso simplesmente não aconteceria".

Desde março deste ano, a Apple enfrenta outra denúncia pelas taxas que cobra na App Store: a empresa foi denunciada na Comissão Europeia pelo Spotify por práticas desleais. De acordo com o streaming, a Apple "limita propositadamente a escolha e sufoca a inovação às custas da experiência do usuário ao atuar essencialmente como jogador e árbitro [na App Store]".

O Spotify também reclama das altas taxas cobradas pela Apple sobre assinaturas em aplicativos – o "imposto da Apple", como definiu o CEO do streaming, Daniel Ek, cobra 30% do valor pago pelos usuários no primeiro ano, e 15% nos demais. “Se pagarmos essa taxa, isso nos forçaria a aumentar o preço de nossa assinatura premium bem acima do preço do Apple Music. E, para manter nosso preço competitivo, isso não é algo que podemos fazer”, ele comentou na época.

Fonte: CNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.