Siga o @canaltech no instagram

paiN Gaming derruba Team oNe e se sagra campeã do Circuito Desafiante 2019

Por Rafael Arbulu | 22 de Abril de 2019 às 08h43
(Imagem: Reprodução/League of Legends BR)

Não teve equilíbrio, não foi acirrado. A grande final do Circuito Desafiante 2019 de League of Legends — o “Circuitão” — foi uma das partidas mais certeiras da paiN Gaming, que “passou o carro” por cima dos adversários da Team oNe, vencendo por três partidas a zero e carimbando seu retorno à primeira divisão brasileira de League of Legends.

A partida, realizada na tarde do último sábado (20) na Arena BBL, localizada no centro expandido de São Paulo, marcou o retorno de uma ex-campeã da primeira linha do MOBA da Riot Games após uma temporadas disputando seu retorno pelas divisões menores.

(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)

O Circuitão como um todo confirmou o favoritismo da paiN Gaming, que só teve problemas com a RED Canids Kalunga durante as fases primárias. Neste ano, a competição era tida como uma das mais acirradas da história, com três ex-campeãs do Campeonato Brasileiro de League of Legends (paiN, Team oNe e Red Canids Kalunga, eliminada na semifinal).

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Léo de Biase, CEO da ESL, ecoa essa percepção: “Os números finais ainda não saíram, mas já passamos a marca de 100 mil visualizações na transmissão ao vivo”.

(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)
(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)

Para o ano de 2019, o Circuitão contou com alterações nas fases preliminares a fim de se adequar à alteração de ritmo utilizada pela Riot no CBLoL: hoje, ambos os torneios correm em esquema “melhor de um”, com todos os times se enfrentando entre si, em três turnos, para só então partirem para a fase de eliminação. Biase conta como isso foi enxergado pelos participantes: “Olha, o campeonato correu tranquilamente, a receptividade das equipes… Todo mundo gostou, nossa audiência aumentou bem. Creio que o resultado disso foi, sim, muito positivo”.

A final mostrou um passeio, ainda que com leves derrapadas, por parte da paiN Gaming. Em um evento disputado no esquema “melhor de cinco”, a vitória veio com relativa velocidade para a ex-bicampeã do CBLoL: na primeira partida, a pressão inicial dos vencedores fez com que os adversários da Team oNe ficassem presos à própria base, vendo seu oponente abrir oito mil de vantagem e tomar para si todos os dragões elementais.

(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)

No retorno, a Team oNe tentou repetir uma estratégia que a fez vitoriosa em jogos anteriores: posicionaram Taric e Sona na bot lane. Entretanto, isso não foi suficiente para derrubar a paiN, que, mesmo inicialmente confusa com a estratégia, conseguiu ditar o ritmo pelas rotas e se protegendo dos ganks de seus oponentes, sem espaço para o adversário respirar.

(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)

Finalmente, na terceira — e derradeira — partida, a Team oNe começou mais confortável, apesar de estar atrás no placar: as primeiras eliminações (first blood) vieram com certa facilidade, sinalizando uma possível recuperação para os chamados Golden Boys brasileiros. Entretanto, não demorou muito para a paiN Gaming retomar o controle e a pressão contra os adversários, que viram Thiago "tinowns" Sartori se esbaldar no acúmulo de recursos pela backline e ajudar seus companheiros a sagrarem-se vencedores com 26 minutos de partida.

Com a vitória, como dissemos, a paiN Gaming retorna à primeira divisão, vencendo o primeiro split para o CBLoL do ano que vem. Entretanto, nem tudo está perdido para a Team oNe: os vice-campeões do Circuitão agora devem enfrentar a Vivo Keyd no dia 27 de abril, às 13h, pela série de promoção, em uma partida que também seguirá o esquema “melhor de cinco” com vaga para a primeira divisão.

“Vamos buscar o próximo CBLoL”

A paiN Gaming manteve um ritmo sólido de combate durante toda a competição, angariando vitória atrás de vitória por meio de um entrosamento que fez do time algo implacável de ser enfrentado. Segundo Marcel “Ayel” Mello, top laner da equipe, isso se deu por seus integrantes terem despertado um sentimento de “urgência”: “nós percebemos que esses times não estavam em uma boa fase”, ele comenta, referindo-se à própria equipe, bem como a RED Canids Kalunga e a Team oNe. “Nós chegamos a achar que a final seria disputada entre nós e a RED — e quando eles perderam para a Team oNe na semi, nós ficamos surpresos e foi aí que decidimos: teríamos de dar tudo o que tínhamos na final”.

Marcelo "Ayel" Mello, top laner da PaIN Gaming: "Vamos buscar o CBLoL ano que vem" (Fotos e capturas: Rafael Arbulu)

Atribuindo os tropeços do passado a uma suposta falta de experiência da paiN Gaming, Ayel credita a vitória a uma evolução do que ele chama de “liderança de equipe”: “Nos faltava o conhecimento necessário em relação aos jogadores de outras equipes, o que nos deixava muito apáticos. Com a entrada de novos integrantes no time — sobretudo o Minerva [Gustavo Queiroz, que deixou a Pro Gaming em 2018 para ser o novo jungler da paiN] — pudemos retomar uma posição de liderança”.

E, para o futuro, Ayel sinaliza grandes ambições à paiN Gaming: “nossos treinos seguem firmes, normalmente, mas o que queremos para esse próximo ano é uma vitória no CBLoL, com certeza”.

(Fotos e capturas: Rafael Arbulu)
Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.