Funcionários da Huawei são presos na Polônia por acusação de espionagem

Por Felipe Demartini | 11 de Janeiro de 2019 às 11h10
Tudo sobre

Huawei

Saiba tudo sobre Huawei

Ver mais

Dois funcionários da Huawei foram presos na Polônia sob acusações de espionagem. De acordo com as informações da imprensa local, os detidos são um diretor de vendas para a região, de origem chinesa, e um especialista em segurança digital. Os dois foram apreendidos na terça-feira (8) em uma operação que também envolveu a apreensão de documentos e equipamentos de tecnologia, bem como buscas nos escritórios da própria fabricante e também da Orange, operadora de telecomunicações que é cliente dela no país.

Poucas informações sobre o caso, entretanto, foram divulgadas. As prisões teriam sido trabalho da Agência de Segurança Interna da Polônia, o órgão responsável pela proteção da soberania no país. Os acusados foram indiciados e devem ficar presos por pelo menos três meses, mas os detalhes das acusações de espionagem não foram revelados.

A batida nos escritórios da Orange estaria relacionada à prisão do especialista em segurança digital, que teria trabalhado na implementação de sistemas de telecomunicações em nome da Huawei. A polícia, entretanto, não comentou se outros clientes da Huawei também podem se ver envolvidos na investigação.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O comunicado da Huawei sobre o caso foi breve e direto. Por meio de porta-voz, a companhia disse que cumpre todas as leis e regulamentações dos países em que atua e que está avaliando a situação de seus funcionários, sem poder comentar mais no momento. Já a Orange não comentou, bem como o governo polonês.

É a segunda vez que a Huawei se vê envolvida em questões de espionagem. Em dezembro, a CFO da empresa, Meng Wanzhou, foi presa no Canadá após a revelação de que a fabricante teria descumprido embargos impostos pelos Estados Unidos a países como Coreia do Norte e Irã, aos quais a empresa vendeu tecnologias e prestou serviços. Ela foi solta após pagamento de fiança mas permanece na capital, Vancouver, e está impedida de deixar o território.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.