Relatório de órgão americano diz que EUA estão na lanterna da disputa pelo 5G

Por Thaís Augusto | 08 de Abril de 2019 às 16h46

Os Estados Unidos estão na lanterna da corrida pela tecnologia 5G. É o que aponta relatório do Departamento de Defesa (DoD, na sigla em inglês) divulgado nesta segunda-feira (8).

Segundo o documento, a China lidera o caminho do desenvolvimento das redes 5G. O Comitê de Defesa, um grupo consultivo independente do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, destacou que a agressiva estratégia de investimento do governo chinês coloca o país na vanguarda do desenvolvimento do 5G.

No relatório, não é citada a Coreia do Sul. Na última semana, o país deixou China e Estados Unidos para trás e anunciou o lançamento comercial do 5G.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A nova conexão chegará ao país asiático pelas operadoras SK Telecom, KT e LG Uplus. Inicialmente, a nova velocidade de conexão será oferecida apenas para os usuários do Samsung Galaxy S10 5G, em planos que vão de US$ 48 a US$ 70 mensais.

O relatório do órgão americano ressalta que a China implantou cerca de 350 mil estações de base 5G, dez vezes a dos Estados Unidos. É ainda mencionado que grandes fabricantes de equipamentos de telecomunicações, como a Huawei e a ZTE, estão participando ativamente da construção de redes 5G – as empresas também estão forneceram o serviço para mercados externos, como a Europa. Embora os Estados Unidos tenham tentado impedir que aliados europeus cooperem com a Huawei, os dados mostram que a chinesa forneceu mais de 10 mil estações-base no exterior.

Nos Estados Unidos, a Huawei está proibida de construir redes 5G. Autoridade do país temem que a empresa possa facilitar a espionagem do governo chinês. A empresa nega a suspeita.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos também destaca que Huawei e ZTE são responsáveis por parte do progresso de alguns projetos de infraestrutura de rede. Só a Huawei deve ganhar 28% do mercado global de telecomunicações, e não há sinais de desaceleração no curto prazo. No relatório, o órgão sugere que à medida que os fornecedores de telecomunicações chineses ocupam mais mercados de rede de 5G, a China passará a promover seus padrões e especificações de rede preferidos para moldar o futuro mercado global de produtos 5G.

Disputa pelo 5G

Até o início da semana passada, os Estados Unidos e a China eram tidos como os líderes da corrida pela inauguração da oferta do 5G para consumidores.

Um relatório da CTIA, uma associação comercial de tecnologias móveis sem fio dos EUA, dava como “empatada” a corrida entre o país americano e o chinês, inclusive apontando que a Coreia do Sul havia sido “ultrapassada” pela nação ocidental.

Atualmente, a China oferece a velocidade 5G apenas para funcionários do governo. Já os Estados Unidos, por meio da operadora Verizon, deve lançar comercialmente a conexão até o dia 11, para smartphones da Motorola.

A expectativa é que a nova tecnologia consiga alcançar uma velocidade até 100 vezes mais rápida em comparação com o serviço atual, além de abrir portas para o mercado de Internet das Coisas, desde a comunicação autônoma de carros até a assistência médica remota.

Fonte: Gizchina

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.